Home / Notícias / De olho no futuro do beach tennis brasileiro

De olho no futuro do beach tennis brasileiro

Conheça o projeto Treinamento de Alto Rendimento de Beach Tennis desenvolvido para jovens e crianças na categoria de base pelo professor Marco Roza.

O Brasil conta com 25 mil praticantes de beach tennis. Na lista dos melhores do mundo no ranking do ITF (International Tennis Federation) é possível encontrar alguns nomes nacionais que já representam – e muito bem – o país lá fora. Isso mostra o espaço que esta modalidade está alcançando e manterá na agenda esportiva. É a partir desta projeção que, na cidade de Maringá, Paraná, o professor Marco Roza investe nos jovens.

Uma equipe com oito atletas, cinco meninos e três meninas para a Sub12 e Sub14, depositam seus esforços em um treino de alto rendimento visando torneios estaduais, pela Federação Paranaense de Tênis, torneios nacionais pela Confederação Brasileira de Tenis e torneios internacionais, como em Aruba.

O projeto começou em janeiro deste ano. “Durante a Copa das Federações em 2016, a equipe sagrou-se bi-campeã. Em conversa com o Silvio Souza (presidente da FPT), tive a ideia após pedido de alguns pais, e então obtivemos o apoio para iniciarmos o projeto”, conta o professor.

“Muita gente se mostrou favorável à iniciativa, como Narck Rodrigues, treinador da Seleção Brasileira, que se colocou à disposição para ajudar e até mesmo acompanhar alguns treinos.”

Entre as conquistas mais recentes, os atletas tiveram duas etapas do Circuito Paranaense de Beach Tennis onde todos ficaram em 1° ou 2° lugar e estão nas primeiras colocações no ranking da FTP, não só a categoria Sub14 como a Feminina B/C Masculina B e Mista B.

Mas além dos campeonatos, um dos desafios da equipe é conseguir incentivos para viabilizar o projeto, como transporte dos atletas, uniformes de treino e campeonato, filmagens dos treinos, além de fisioterapia e preparadores físicos.

A intenção é mostrar que os jovens também têm sua importância no beach tennis brasileiro.

“Não tenho visto os torneios em geral darem atenção às crianças, em Maringá temos crianças de 8 à 15 jogando, mas como dependem de seus pais para os deslocamentos, consequentemente o custo aumenta”, explica Marco Roza.

O professor aposta no trabalho de base para a renovação das equipes de atletas no futuro. “Na Itália há torneios que contam com mais de 50 crianças inscritas e isto com certeza demonstra o poderio do beach tennis deles. Mas, como o esporte ainda é novo no país, temos tempo para corrigir isto.”

Sobre Viva Beach Tennis

O mais completo portal de Beach Tennis do Brasil. O Viva Beach Tennis é o portal onde você encontra tudo sobre o esporte que adquire a cada dia mais adeptos no mundo.

Veja também

Florianópolis sedia a Copa das Federações de Beach Tennis

O evento será realizado entre os dias 12 e 15 de outubro. Estão abertas as …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *